23 de novembro de 2012

São Paulo pela primeira vez


Não sei explicar bem por que, mas sempre tive vontade de conhecer São Paulo. Nada de praia ou montanhas... Só queria ver de perto a cidade mais populosa do hemisfério Sul, onde se encontra de tudo. Depois de analisar outras possibilidades de destino, compramos as passagens. O 1º dia foi reservado ao Hopi Hari, que fica em Vinhedo; o 2º e o 3º, à cidade de Brotas, que, inicialmente, foi o que motivou a viagem; e os últimos 3 dias, à capital em si. O tempo era curto, por isso tentamos aproveitá-lo fazendo programas bem tradicionais de quem vai à capital paulista pela primeira vez.

O Andreas já tinha ido a São Paulo algumas vezes para participar de campeonatos, o que foi uma vantagem porque ele já sabia se locomover de metrô pra todo lado. Confesso que fiquei encantada com o sistema de metrô (ê, menina do interior...). É super eficiente e rápido. Dá pra conhecer quase todos os principais pontos da cidade assim. Pra quem tá acostumado a usar só ônibus velho, é incrível! Você só passa uns apertos na hora do rush, mas tivemos a sorte de não pegar nenhum trem absurdamente lotado.

25 de Março

Não podia faltar uma ida ao paraíso das compras. Foi nesse dia que encontramos duas grandes amigas: a Hanea, que mora em Mogi Guaçu e viajou 160 km só pra nos encontrar, e a Renata, que, por coincidência, estava de férias na cidade, e foi nossa guia nas ruas da 25. Matamos a saudade e ainda ganhamos duas excelentes companheiras de chinelagem. Fomos em um dia da semana, então estava trafegável. Recomendo comprar no local: bolsas (Shopping da 25), bijuterias (Shopping Porto Geral), carteiras, relógios e perfumes importados. A estação de metrô mais próxima é a de São Bento.

Mercadão

O Mercado Municipal fica bem pertinho da 25. Meu almoço foi o famoso pastel de bacalhau, mas os outros três pediram pastel de camarão, que confesso que achei mais gostoso. O Mercadão é o lugar pra encontrar de tudo: frutos do mar, queijos, bebidas e frutas de todas as origens. Observem bem os preços antes de pedir e não façam como eu, que pedi uma porção de cereja chilena, que saiu por 30,00 (!). Eu demorei tanto a acreditar naquele preço que, no fim, o cara me fez por 20,00. Depois olhei o preço do quilo e vi que era realmente absurdo: 90,00! Devem ser colhidas por jovens chilenas virgens da Patagônia... De agora em diante, só cereja nacional.


Bairro da Liberdade

O bairro é uma loucura pra quem gosta de comida japonesa e bugigangas asiáticas! É ali que você encontra ingredientes para fazer comida japonesa umas 10x mais baratos do que aqui na região Norte. Almoçamos no Restaurante Itiriki, que vende por peso e à la carte, por recomendação de outros blogs. O restaurante fica bem em frente à estação de metrô Liberdade. Tão bom que voltamos no dia seguinte! A Liberdade também é o lugar onde comprar: equipamentos para artes marciais, mangás e coisas de otaku (tem até uma costureira que faz exclusivamente roupas de cosplay!), objetos de decoração japoneses e chineses, quimonos, papelaria e coisas para casa.

Liberdade: badulaques fofos e coisas de comer

Parque do Ibirapuera

O último passeio foi no Parque do Ibirapuera. Esse é mais complicado de se chegar porque não tem metrô próximo, mas perto da Estação Santa Cruz se pode pegar o ônibus “Campo Limpo”, que leva até lá rapidinho. Fomos com a Renata dar uma conferida na 30ª Bienal de São Paulo, ali ao lado do parque, até perceber que nenhum de nós entendia P.N. de arte conceitual. Aí alugamos bicicletas (R$ 5,00 a hora) - porque pedalar a gente sabe - e fomos conhecer o parque. Simplesmente lindo! Muito charmoso... lugar ideal pra andar de bike ou de patins, jogar bola, caminhar, fazer piquenique, namorar, encontrar amigos e até ensaiar uma coreografia com o seu grupo de cosplay de banda pop japonesa (como nós vimos). Tem pra todos! Terminamos esse dia assistindo “007 – Operação Skyfall” no Cinemark do Shopping Santa Cruz. O dia seguinte era dia de voltar para Belém.


Hospedagem

Procuramos um hotel que fosse econômico, mas bem localizado. Escolhemos o Ibis Budget São João, no centro. Os hotéis Ibis Budget estão entre os mais econômicos da Rede Accor (que tem desde hotéis luxuosíssimos aos mais básicos para nós, mortais). O nosso não incluía café da manhã, que tínhamos que comprar à parte: R$ 10,00. Não tinha muitas opções, mas quebrava o galho. Quartos limpos e confortáveis, a não ser pelo frio que fazia à noite (13 a 15°C, já que pegamos um frente-fria). Tinha aquecedor, mas o edredom dava conta de aquecer. As janelas tinham isolamento acústico bem eficiente. A diária saiu por R$ 130,00, sendo que você podia escolher um quarto para 3 pessoas (1 cama de casal e 1 de solteiro) pelo mesmíssimo preço. Se você estiver em trio, vale muito a pena.

Quanto à localização, diria que é boa e não é ao mesmo tempo. É uma área central, estratégica e bem pertinho do metrô Praça da República. Mas, depois da ocupação policial da Cracolândia, por ali se vê muitos viciados nas ruas (um cenário triste). Não tivemos nenhum problema, mas é bom ficar atento e não andar muito por ali à noite. 

6 comentários:

  1. Bicha, só aqui eu consigo ser a 1a em alguma coisa. Kkkkk!!!

    Pois bem, morei em SP quando criança e, definitivamente, não é um bom lugar para se criar os filhos. Eu simplesmente detestava viver lá!

    Já adulta estive em Sampa com meu baby. AMEI "de cum força" viajar pra lá. Muambei horrores na 25 de Março e na Liberdade, tomei um suco de kiwi maravilhoso (eu amo kiwi!) no Mercado Municipal, curti um friozinho ótimo ao lado do meu japa, etc.

    Sobre a hospedagem, nós ficamos no hotel Formule 1 (pertíssimo da Av. Paulista), que na época (2,5 anos atrás) custava R$ 99,00 o quarto tripo, com café incluso.

    Confesso que não vejo a hora de voltar à SP. Vale muito a pena!!!

    Bj, Juba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, também adorei a cidade! Realmente não é um lugar onde eu criaria filhos, mas moraria lá tranquilamente. Que clima gostosinho!
      Esse Ibis Budget antes se chamava Formule 1. Só mudaram de nome, mas é a mesma rede. Pra gente ver como os preços aumentam absurdamente rápido, né?
      Também espero voltar à cidade com mais tempo porque não pude curtir nem metade do que eu queria. E os namorados é que sofrem tendo que nos acompanhar nas andanças pela 25... hehe
      Beijão! :)

      Excluir
  2. Quando for lá de novo, me avise, e poderei lhe dar uns toques sobre outros lugares para visitar, como a casa de chá Khan El-Khalili e outras coisas que só existem por lá.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito interessada nessa casa de chá, Júlio! É esse tipo de programa diferente que acho legal. Vou fazer questão de lhe pedir uns toques na próxima vez. Obrigada!

      Excluir
  3. Ai, eu me encanto com o saber de nossos jovens. Fiquei feliz de montão pela viagem da Jussara com o Andreaz, bem planejada (eu acho) e com fins culturais/turísticos, do encontro com a Renata e a Hanea. Muito bom não perder oportunidades e saber valorizar bem nosso tempo. Parabéns, Jussara, por nos transmitir tão bem as coisas boas da capital mais famosa do Brasil, via teus olhos de valorização à vida. Quando vai ser a próxima? Pra onde? beijo beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, mãe! Gostei demais dessa viagem e valorizei cada lugar visitado mesmo. Não deu tempo de planejar nos mínimos detalhes, mas quase tudo foi planejado. Tenho muitos destinos na lista de desejos ainda, mas eles vão esperar um pouco. As próximas férias só serão em julho de 2013. Ô espera longa... Beijos! :)

      Excluir