2 de dezembro de 2012

Livro “Linha do Tempo”: ficção científica na Idade Média


VIAGEM NO TEMPO. E se alguém lhe dissesse que existem pesquisas científicas sérias que apontam para essa possibilidade? Conheça a física quântica, um dos ramos mais incompreendidos da ciência. Pelo pouquíssimo que consigo entender (sou alguém que tirava notas baixas em física porque gostava da teoria, mas não da matemática envolvida), física quântica é a física aplicada a coisas muito, muito, mas muito pequenas, mais precisamente na dimensão de um “quantum”, que é a menor quantidade possível de qualquer coisa. Basta dizer que, ao entrar nesse nível, as leis da física como aprendemos na escola simplesmente não se aplicam. Universos paralelos, viagens ao passado... teoricamente, são possíveis. É difícil entender , mas é um assunto, no mínimo, interessante. 

Michael Crichton utiliza conceitos desse universo para compor a ficção científica “Linha do Tempo”. A empresa ITC, cujo dono é um cientista genial e inescrupuloso, desenvolve um super computador e dispositivos com tecnologia quântica capazes de transportar pessoas ao passado. Um professor universitário de história é enviado ao século XIV, mas é impedido de voltar. Assim, a empresa convence um grupo de historiadores a encarar uma missão de resgate do professor. O grupo não é escolhido à toa, pois todos são pesquisadores que trabalham com escavações em um sítio arqueológico na região de Dordogne, na França, pesquisa esta patrocinado pela ITC. Não por coincidência, é para esta mesma região que eles são enviados, só que 7 séculos antes.

Parece uma missão difícil... só que fica ainda pior porque nada sai como o planejado. Eles precisam ser convincentes ao fingir fazer parte daquele mundo se quiserem sobreviver, utilizando-se de seus conhecimentos históricos, arqueológicos e culturais, enquanto encaram uma guerra medieval. A aventura do grupo acontece em um ritmo alucinante! Cada página da narrativa deixa o leitor mais empolgado. O final consegue ser surpreendente, e a gente agradece por isso.

Apesar de ser ficção, o legal é que o autor realizou uma vasta pesquisa científica e histórica antes de escrever o livro. Todas as informações parecem bem embasadas. Para se ter uma ideia, a bibliografia tem 4 páginas, coisa que imagino ser rara nesse ramo da literatura.

Foi o único livro do Michael Crichton que li até hoje, mas dá pra perceber que as obras dele são roteiros semi-prontos de cinema, com muita ação, suspense, surpresas e maluquices que gostaríamos que fossem verdade. É ele o autor de "O Parque dos Dinossauros" e “Mundo Perdido”, que inspiraram os filmes de Steven Spielberg (aqueles que a gente já viu 40 vezes na Sessão da Tarde). Mesmo assim, vamos combinar que tem diretor que consegue pegar um bom roteiro e fazer dele algo vergonhoso. Só isso explica por que o filme "Linha do Tempo" (2002), que resultou do livro, é tão tosco.

O filme traz um time de atores impressionante, entre eles Gerard Butler (300), Frances O’Connor (A.I.: Inteligência Artificial), David Thewlis (o Lupin de Harry Potter) e Michael Sheen. Mas nada disso salva a pobre produção, cujos efeitos parecem ter sido feitos pelo estúdio do Chapolin Colorado. Tá, tô exagerando... Mas o orçamento deve ter sido muito baixo porque não dá pra entrar na liga da história. Se você se basear no filme, dificilmente vai ter interesse no livro. Mas vai por mim: manda ver na leitura!

"Linha do Tempo", filme de 2002: é vergonha alheia, minha gente!

2 comentários:

  1. Manazinha, você falou tão empolgadamente do livro que até me deu vontade de ler. O problema é que ele tem a maior cara de livro de sebo. Onde eu conseguirei esse livro, meu Pai?!

    Eu já me decepcionei diversas vezes com as versões gravadas de livros maravilhosos que havia lido. Prefiro mil vezes ler o livro a ver o filme. De decepção, pra mim, já basta meu saldo bancário. Kkkkk!!!

    Bjuuuu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huahauhaha! Por isso que agora só leio livro depois de ver o filme correspondente (principalmente blockbusters). Assim não tem decepção e o máximo que pode acontecer é a gente gostar mais ainda da história.
      Acho que dá pra achar esse livro na internet tranquilo!
      Beijos e obrigada pela visita. :)

      Excluir